Skip to main content

A comprovação científica do efeito placebo.


Sempre ataquei os tratamentos médicos com substâncias inócuas, ou sem efeito racionalmente explicáveis, e não estou mudando minha opinião; porém, também sempre valorizei o vínculo médico paciente como um dos principais fatores garantidores de eficácia terapêutica. 

Uma publicação do Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences no ano de 2013¹, fez-me ter uma visão um pouco mais abrangente.
A publicação trás um trabalho apontando a neurobiologia do placebo e de como as expectativas influenciam o desfecho do tratamento. Utilizando-se de imagens funcionais do cérebro (hemodinâmica e metabólica) e evidenciando alterações na atividade neural após administração de um medicamento inócuo a publicação demonstra que a fluoxetina e o placebo provocam incremento metabólico em semelhantes regiões cerebrais após 6 semanas de tratamento, sendo que fluoxetina apresentava o diferencial de estimular algumas poucas regiões a mais além das estimuladas pelo placebo.
Tradicionalmente os antidepressivos mais potentes produzem, em média, uma melhora dos sintomas depressivos de 60% a 70%, no prazo de um mês², enquanto a taxa de placebo é em torno de 30% em depressões graves. Nas depressões leves a taxa de resposta chega a estar bem próxima entre antidepressivos e placebo³.
Os principais mecanismos para uma resposta ao placebo são a expectativa do individuo de mudança dos sintomas e a aprendizagem condicionada de experiências anteriores. Assim, a resposta ao placebo é mais evidente quando o indivíduo acredita na garantia do profissional de que o tratamento terá um efeito benéfico substancial (expectativa positiva imediata) e também quanto teve uma experiência prévia na qual o tratamento resultou em efeito positivo (condicionamento).
Esses efeitos mesmo que limitados podem explicar completamente o tratamento fundamentados na memória da água defendidos por Homeopatas. É popular a forma como esses profissionais são destacadamente mais atenciosos em seus primeiros atendimentos, diferentemente dos médicos da prática alópatica, assim, geram expectativa de melhora muito maiores.
A conclusão mais útil acaba sendo que cabe a todo médico, de qualquer área, empenhar-se em gerar expectativas de melhoras aos seus pacientes, algo que sem dúvida, agora, conta com comprovação científica.


 1-.The Neurobiology of Placebo and Nocebo: How Expectations Influence Treatment Outcomes
Donald Eknoyan, Robin A. Hurley, and Katherine H. Taber
The Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences 2013 25:4, vi-254 1

2. Katz MM, Koslow SH, Maas JW , Frazer A, Bowden CL, Casper R, et al. The timing, specificity and clinical prediction of tricyclic drug effects in depression. Psychol Med 1987; 17:297-309.

3. de Almeida Fleck, M. P., et al. "Diretrizes da Associação Médica Brasileira para o tratamento da depressão (versão integral)." Revista Brasileira de Psiquiatria 25.2 (2003): 114-122.

Comments

marcelo said…
Como dizia Dr. Carol: o importante é o vínculo!

Popular posts from this blog

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…

Teste sua posição política: diagrama de Nolan

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 18/06/2012
Falar sobre questões de filosofia política não é minha especialidade, mas é um dos temas que mais gosto de escrever. Na verdade publico este post mais para divulgar um “teste do espectro político”. O diagrama de Nolan foi idealizado pelo cientista político libertário norte americano David Nolan ainda na década de 70 e tem como principal mérito a possibilidade de traçar perfis políticos do ponto de vista da autonomia das liberdades individuais, (eixo Y – vertical); e das liberdades econômicas, (eixo X – horizontal), de modo separado. Superando, assim, um ponto de vista simplista, dualista e muito mal interpretado pelos principais representantes políticos brasileiros sobre os conceitos de direita e esquerda. Segundo Nolan, direita e esquerda, não são necessariamente opostos, de modo que a esquerdaseria defensora de maiores intervenções do estado na economia e maiores liberdades individuais, enquanto que a direitadefende…

Artigo 58 do Código Penal Soviético

Não encontrei na internet em língua portuguesa o conteúdo do famigerado e infame Artigo 58 do Código Penal Sovíetico. Assim decidi fazer uma compilação de seu conteúdo e de comentários sobre o tal. Reescrito em 1926 entrou em vigência em 25 de fevereiro de 1927.


A estudiosa do comunismo Anne Applebaun, vencedora do prêmio Pulitzer para não ficção de 2004, escreveu, em Sua obra "GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos":
"Como seria o caso com todas as grandes iniciativas soviéticas, o início da industrialização maciça criou categorias inteiramente novas de criminosos. Em 1926, o Código Penal fora reescrito para incluir, entre outras coisas, uma definição ampliada do artigo 58, que definia crimes 'contra-revolucionários'. Tendo tido antes apenas um ou dois parágrafos, o artigo 58 agora continha dezoito incisos (inclui sub divisões do primeiro) - e a OGPU (Administração Política Estatal Unificada)  se utilizava de todos, sobretudo para prender e…