Skip to main content

Arquipelago GULAG

O post que segue, essencialmente, não tem nada de minha autoria. Publico-o para suprir a falta de tal informação digitalizada em língua portuguesa.
Refiro-me à contra capa do livro "Arquipelago Gulag" de Alexandre Soljenítsin. A edição lançada no Brasil em 1975 pela Editora DIFEL trás o seguinte texto:


"O AUTOR E SUA OBRA"
"A publicação de 'Arquipélago Gulag' em Paris, em dezembro de 1973, no original russo, abalou a opinião pública mundial. Pela primeira vez tinha-se um relato completo, documentado, de episódios vividos entre 1918 e 1956, na imensa rede de campos de trabalho soviéticos por onde passaram, segundo o autor, cerca de 66 milhões de pessoas.
Os desesperados prisioneiros do regime viviam em 'ilhas', tão numerosas que formavam um arquipélago, e todo esse sistema era administrado pelo departamento GULAG (Administração Geral dos Campos). Na sua tese central o livro sustenta que as prisões em massa, os julgamentos iníquos e as execuções secretas fizeram parte do Estado soviético desde a sua consolidação em 1918, não sendo apenas uma criação posterior e arbitrária de Stálin.
 Em consequência, o escritor dissidente Alexandre Soljenítsin foi expulso da União Soviética, com toda a sua obra proibida. Era o último ato de um longo drama, que teve como um dos capítulos mais trágicos o suicídio de uma amiga, Elizavieta Voroniánskaia, que havia revelado à polícia russa onde se encontrava o original de 'Arquipélago Gulag'. Depois disso, quietamente, matou-se.
Soljenítsin decidiu então permitir, na França, a publicação do livro, escrito com base em suas experiências como prisioneiro em campos de trabalhos forçados, na Rússia de Stálin, e em depoimentos de outros duzentos e vinte e sete ex-detentos.
Tudo começou em janeiro de 1945. Alexandre Soljenítsin, nascido a 11 de dezembro de 1918 na velha cidade causasiana de Jislovodska, tinha então vinte e sete anos e estava lutando contra os alemães, como capitão de artilharia do Exército Vermelho. Detido no 'front' de Koenigsberg, foi condenado, sem julgamento, a oito anos de prisão e mais quatro de exílio numa remota aldeia soviética, tendo passado menos um ano em hospital para tratamento de câncer. A acusação baseou-se em carta que enviou a uma amigo e na qual criticava os privilégios no Exército e a conduta de Stálin em relação a guerra.
Para um jovem com boas perspectivas, formado em ciências físicas e matemáticas pela Universidade de Rostov e em literatura (por correspondência) no célebre Instituto Moscou, era um duro golpe. Em 1954 reabilitado pelo Tribunal Militar, tornou-se professor em Riázan. E em 1962, após as denúncias de Khruchov contra Stálin, seu livro 'Um dia na vida de Ivan Deníssovich' romance objetivo e realista sobre as prisões especiais de Estado' aparece nas livrarias de Moscou e se esgota rapidamente.
A repercussão da obra impressionou as autoridades, que - terminando o degelo político sob Khruchov proibiram os livros do escritor. Ainda assim, 'O primeiro círculo', 'Pavilhão do cancerosos' e 'Agosto 1914' foram publicados no Ocidente e circulam na URSS em edições clandestinas, ou samizdat.
Em 1969 Soljenítsin foi expulso do Sindicato dos Escritores e, portanto, impedido de ganhar a vida escrevendo. O prêmio Nobel concedido em 1970 apenas acirrou a atitude de censura. Após a publicação de 'Arquipelago Gulag', o escritor foi levado de avião, sob protesto para a Alemanha Ocidental, e, e em fevereiro de 1974, escolheu a Suíça para morar e produzir os volumes seguintes do 'Arquipélago'.
Uma trágica convicção o guia, segundo suas próprias palavras: 'Jamais pensei ter sido condenado sem razão. Antes de tudo, eu exprimia opiniões inadmissíveis para a época'. Soljenítsin jamais se coloca na posição de vítima inocente, mas na de um perseguido que luta por suas ideias".

Até o momento da publicação deste post eu não havia encontrado versão digital do livro em língua portuguesa. Caso encontrem deixem link nos comentários, por favor.

Por Leandro C S Gavinier











Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Livro de Pedagogia da Universidade Anhanguera prega doutrinação contra postura conservadora

Nos debates sobre doutrinação política nas escolas os professores e pedagogos em geral mostram-se especialmente escaldados. Frente à mínima menção de que o tema precisa ser discutido, passam a proferir acusações como "patrulha ideológica", "fim da liberdade de expressão", "discriminação". A reação exagerada de muitos profissionais da educação tem explicação. Grande parte da construção teórica pedagógica brasileira reveste-se uma intensão reformadora da sociedade. A concepção de que a pedagogia estaria empenhada em formar intelectuais transformadores seria um papel intrínseco da educação, muito além da transmissão de conhecimento. Algumas provas deste ponto de vista encontra-se num dos livros base do curso de Pedagogia utilizados pela Universidade Anhaguera. A autora, Maria Lucia de Arruda Aranha, famosa também por outros livros didáticos de filosofia para o nível secundário e universitário, sem meias palavras, no terceiro capítulo, escancara sua visão:
&q…

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…