Skip to main content

A surpresa com o "A Revolta de Atlas" - uma vacina contra o populismo

Não lembro exatamente como descobri a trilogia "A Revolta de Atlas", acho que o vi exposto numa livraria, li a sinopse, que me surpreendeu, comprei e iniciei a leitura em janeiro de 2014.
Minha grande virada intelectual deu-se em 2011 com a leitura de um pequeno livro de Tocqueville, "Viagem aos Estados Unidos", ali estava a semente dos meus questionamentos sobre os perigos da vontade da maioria e da importância da valorização dos direitos individuais(naturais) em relação aos chamados direitos coletivos.
Após iniciar a leitura de "A Revolta de Altas" não foi possível esconder o choque com a sem-cerimônia que Any Rand defendia o individualismo, sem que isso significasse provocar prejuízo à vida alheia. Não apenas isso, há fundamentos concretos, quase lógicos, no livro que apontam, justamente, que o individualismo pode nos levar a dar o melhor de nós. No livro o individualismo é glorificado como a melhor das virtudes, a mais ética, mais sincera, e a que permite melhor desenvolvimento das capacidades humanas. Ao promover essas virtudes, todos sairiam ganhando com o desenvolvimento amplo e generalizado da sociedade.
O combate mais feroz e eficiente que Any Rand consegue fazer é justamente contra a motivação de se sacrificar pelo outro alegando o simples desejo altruístico puro e não por sentir satisfação própria, individual, nessa ajuda. Para Any Rand essa ajuda - isenta - não existe e seria sempre um discurso de fachada, falso, não objetivo, para ocultar os desejos que não se deseja revelar. Essa prática de não revelar os desejos individuais, aliada a defesa pública por parte de governos e formadores de opinião de que todos deveriam dedicar-se à causa do sacrifício dos desfavorecidos, derivaria no coletivismo tornando-o, inclusive, política institucional de estado.
Na distopia criada por Any Rand em 1957, em que o mundo já foi tomado por países chamados de Repúblicas Populares, menção direta a recém denominada República Popular da China em 1949, temas como nacionalização de bens de produção e punição àqueles que recusam-se a trabalhar pelo "bem comum" são esmiuçados em todas nuances constituindo verdadeira vacina contra tais práticas populistas.
A grandiosidade da obra, o detalhamento com que com que destrói o coletivismo e o populismo salientam com a pouca repercussão que a obra teve no seu primeiro lançamento editoral no Brasil em 1987, quando a editora "Expressão e Cultura" o lançou com o título "Quem é John Galt"? Não lembro de ninguém recomendando a leitura do livro na década de 1990, mesmo até o ano de 2005 muito pouco se falava na obra no Brasil. Em 2010 a editora Arqueiro lançou novamente "Atlas Shrugged" com o título "A Revolta de Atlas" e tenho que reconhecer que foi muito feliz no título. Ao pé da letra ficaria "Atlas dá de ombros".
A edição atualizada parece que teve boa repercussão e encontra-se esgotada na maior parte das livrarias do Brasil. Quanto mais pessoas estiverem lendo Any Rand, mais pessoas estarão preparadas, com espírito crítico, para evitar serem enganadas pelo discurso ilusório dos políticos.

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Livro de Pedagogia da Universidade Anhanguera prega doutrinação contra postura conservadora

Nos debates sobre doutrinação política nas escolas os professores e pedagogos em geral mostram-se especialmente escaldados. Frente à mínima menção de que o tema precisa ser discutido, passam a proferir acusações como "patrulha ideológica", "fim da liberdade de expressão", "discriminação". A reação exagerada de muitos profissionais da educação tem explicação. Grande parte da construção teórica pedagógica brasileira reveste-se uma intensão reformadora da sociedade. A concepção de que a pedagogia estaria empenhada em formar intelectuais transformadores seria um papel intrínseco da educação, muito além da transmissão de conhecimento. Algumas provas deste ponto de vista encontra-se num dos livros base do curso de Pedagogia utilizados pela Universidade Anhaguera. A autora, Maria Lucia de Arruda Aranha, famosa também por outros livros didáticos de filosofia para o nível secundário e universitário, sem meias palavras, no terceiro capítulo, escancara sua visão:
&q…

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…