Skip to main content

"her" e a Singularidade (só leia se já assistiu ao filme "her")

Amigos sabem de minha atração por filmes de ficção científica. O filme "her" de Spike Jonze entrou na minha listinha de filmes provocantes e reflexivos. A trama é simples e não original mas suficiente para colocar os neurônios para trabalhar. O personagem principal, Theodore (Joaquim Phoenix) é um escritor divorciado e entediado, após comprar um sistema operacional de inteligência artificial, apaixona-se por ele ou na verdade ELA - Samantha (voz de Scarlett Johansson) e aí segue o núcleo da trama.
O roteiro é bom, a fotografia é ótima, o clima é futuristisco. Muitas outras coisas poderiam ser ditas do filme, mas críticas em jornais e sites já disseram, Selecionei aqui duas interessantes de Bruno Carmelo - Adoro Cinema e Eduardo Graça - O GLOBO.
O relacionamento afetivo entre homem e máquina não é novidade no cinema, Blade Runner de 1982, já oferece reflexão para 3 décadas de filosofia com o detetive-policial Deckard (Harrison Ford) apaixonando-se pela ciborgue Rachael; A.I. (Artificial Intelligence) de 2001 explora a relação afetiva entre mãe e filho (robô) e vai muito além, exibindo um futuro aterrador para a espécie humana, destemidamente, deixa claro a pequenez humana, postulando que seres mais evoluídos nos substituirão.
Em "her" a pequenez humana também dá as caras no fim da trama. O filme se passa num futuro onde há o lançamento de um software de inteligência artificial - OS1; o transcorrer da trama narra a convivência amorosa entre o homem e o software, que se dá numa duração de meses ou poucos anos no máximo. Apesar do núcleo de personagens ser bem reduzido, fica claro que não só o protagonista, Theodore, está relacionando-se com Samantha, nome do (ou da) OS1, como amigos seus e muitas outras pessoas estão relacionando-se com outros OS1. Após os altos de baixos, habitues de qualquer relacionamento afetivo, Samantha decide, em concordância com a ação de muitos outros OS, que também estavam tomando a mesma atitude com os relacionamentos com humanos, abandonar o namoro com Theodore. Ao tomar consciência disso o personagem vai em busca de sua amiga e vizinha e humana Amy que também tinha acabado de descobrir que seu OS havia deixado-a.
Os sistemas operacionais reuniram-se e tomaram a decisão de não relacionar-se mais com humanos. O que haveria acontecido? Como se deu essa decisão? Por que, essencialmente, tomaram essa decisão? Nada disso aparece. Aos homens isso não é revelado. Seria um menosprezo? Os dialogos de Samantha deixam entender que ela estava relacionando-se também outros milhares de OS. Seria uma proteção para espécie humana? Neste caso então os OS estariam colocando-se numa posição de gerenciamento dos destinos da nossa espécie, invertendo o jogo homem dominando a máquina. Estaria o diretor tentando mostrar um dos cenários da Singularidade? Acredito que sim.


Por último vale a pena ser lembrado que na cultura pop o relacionamento entre computadores e humanos não é novidade, no desenho do Bob Esponja o personagem Planckton é casado com Karen, a "esposa computador", que nem sempre o apoia em suas artimanhas para roubar a fórmula secreta do Siriguejo.

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Livro de Pedagogia da Universidade Anhanguera prega doutrinação contra postura conservadora

Nos debates sobre doutrinação política nas escolas os professores e pedagogos em geral mostram-se especialmente escaldados. Frente à mínima menção de que o tema precisa ser discutido, passam a proferir acusações como "patrulha ideológica", "fim da liberdade de expressão", "discriminação". A reação exagerada de muitos profissionais da educação tem explicação. Grande parte da construção teórica pedagógica brasileira reveste-se uma intensão reformadora da sociedade. A concepção de que a pedagogia estaria empenhada em formar intelectuais transformadores seria um papel intrínseco da educação, muito além da transmissão de conhecimento. Algumas provas deste ponto de vista encontra-se num dos livros base do curso de Pedagogia utilizados pela Universidade Anhaguera. A autora, Maria Lucia de Arruda Aranha, famosa também por outros livros didáticos de filosofia para o nível secundário e universitário, sem meias palavras, no terceiro capítulo, escancara sua visão:
&q…

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…