Skip to main content

Estranho! Jorge Negromonte, o canibal de Garanhuns, é considerado mentalmente responsável.

Notícia veiculada hoje causou-me estranheza, o trio de canibais de Garanhuns que teriam assassinado pelo menos duas mulheres, canibalizado-as, e utilizado partes dos corpos em empadas vendidas para a população, foram considerados mentalmente sãos por laudo psiquiátrico e deverão ser julgados pela justiça como cidadãos responsáveis pelos seus atos.
A entrevista psiquiátrica, é claro, é imperiosa e determinante para o diagnóstico. Entretanto pelo menos em relação a Jorge Beltrão Negromonte da Silveira há fatos que chamam especial atenção: ele estava em tratamento no CAPS de Garanhuns e já esteve internado num hospital psiquiátrico previamente aos crimes.
Doente mental provavelmente ele é. O senso comum nos faz pensar que Jorge Negromonte tenha uma doença mental e isso provocou seu comportamento criminoso e bizarro. Mas o laudo psiquiátrico pode muito bem considerá-lo doente mental e ainda assim considerá-lo responsável pelos crimes que cometeu. Para isso o perito deve apontar que a doença mental não é a causadora de seu comportamento, neste caso homicídio e canibalismo, ou no momento que cometeu o crime, Jorge Negromonte estava no "intervalo lúcido", por estar em tratamento com remissão dos sintomas ou alguma fase assintomática da doença. 
Considero que neste caso, com as evidências divulgadas pela mídia, principalmente os vídeos com o discurso desagregado de Jorge Negromonte, fica difícil acreditar que a doença não colaborou nos crimes ou que havia intervalo lúcido.
Questionamentos ao laudo psiquiátrico cabem à defesa de Jorge Negromonte ou ao Ministério Público que poderiam também ter nomeado psiquiatra, para realizar parecer técnico para acompanhar a perícia e aprensentar parecer técnico concordando ou discordando do perito, esse é o chamado contraditório da medicina-legal, onde os argumentos técnicos discordantes do laudo são apresentados. Não sei se houve algum outro psiquiatra acompanhando a perícia. O portal de notícias V&C Garanhus cita o psiquiatra Lamartine Hollanda como perito do caso e refere que outro psiquiatra que acompanhou o caso por mais tempo afastou-se por motivos pessoais. É algo que provoca alguma reflexão.
O Juiz pode ater-se ao laudo psiquiátrico ou não para determinar sua sentença, mas ao negar o laudo deverá pelo menos apontar as inconsistências. Se algum leitor do blog conseguir o laudo, envie-me.
Seguirei acompanhando esse caso de repercussão internacional que também serve para avaliar como anda a assistência psiquiátrica dos doentes mentais criminosos no estado do Pernambuco.

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Livro de Pedagogia da Universidade Anhanguera prega doutrinação contra postura conservadora

Nos debates sobre doutrinação política nas escolas os professores e pedagogos em geral mostram-se especialmente escaldados. Frente à mínima menção de que o tema precisa ser discutido, passam a proferir acusações como "patrulha ideológica", "fim da liberdade de expressão", "discriminação". A reação exagerada de muitos profissionais da educação tem explicação. Grande parte da construção teórica pedagógica brasileira reveste-se uma intensão reformadora da sociedade. A concepção de que a pedagogia estaria empenhada em formar intelectuais transformadores seria um papel intrínseco da educação, muito além da transmissão de conhecimento. Algumas provas deste ponto de vista encontra-se num dos livros base do curso de Pedagogia utilizados pela Universidade Anhaguera. A autora, Maria Lucia de Arruda Aranha, famosa também por outros livros didáticos de filosofia para o nível secundário e universitário, sem meias palavras, no terceiro capítulo, escancara sua visão:
&q…

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…