Skip to main content

Teste sua posição política: diagrama de Nolan

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 18/06/2012

Falar sobre questões de filosofia política não é minha especialidade, mas é um dos temas que mais gosto de escrever. Na verdade publico este post mais para divulgar um “teste do espectro político”. O diagrama de Nolan foi idealizado pelo cientista político libertário norte americano David Nolan ainda na década de 70 e tem como principal mérito a possibilidade de traçar perfis políticos do ponto de vista da autonomia das liberdades individuais, (eixo Y – vertical); e das liberdades econômicas, (eixo X – horizontal), de modo separado.
Superando, assim, um ponto de vista simplista, dualista e muito mal interpretado pelos principais representantes políticos brasileiros sobre os conceitos de direita e esquerda. Segundo Nolan, direita e esquerda, não são necessariamente opostos, de modo que a esquerda seria defensora de maiores intervenções do estado na economia e maiores liberdades individuais, enquanto que a direitadefenderia menor intervenção estatal na economia e restrição de liberdades individuais.
Recentemente, em maio, um site de estudantes que se intitulam “estudantes pela liberdade” divulgou uma versão simplificada e traduzida para o português do teste de Nolan.
A versão publicada tem provocado alguns debates em Blogs, Fóruns, pouco específicos do tema e trás para o Brasil lentamente um ingrediente a mais no debate ideológico, o que é ótimo. Pois, pelo menos em nível pedagógico do ensino fundamental e médio essas divisões ideológicas, libertário e totalitário não são apresentadas ao estudantes de modo enfático como sendo diferentes a simples direita e esquerda.
Como achei a versão em português muito simplificada, busquei algo mais específico relacionado ao tema e encontrei um teste em espanhol com perguntas mais detalhadas: www.testpolitico.com
Fiz ambos, nos dois, meu ponto de vista político foi como “de centro”, sendo que no teste Brasileiro eu raspei no estatismo e no espanhol no libertário, o que não deixa de ser uma crítica aos testes. De qualquer modo gostei razoalvelmente do resultado. Sei que testes como esses não são feitos para se gostar do resultado, eu gostaria mesmo é de ser um libertário e amplo defensor das liberdades individuais. Entretanto eu resguardo-me no ponto de vista, bem pessoal, de que o Estado deverá manter-se atento a evolução de tecnologias principalmente as referentes a manipulação genética, a nanotecnologia e aumento da velocidade da transmissão de dados na internet que podem provocar dilemas bioéticos bizarros como seleção de características pessoais, antevisão de doenças degenerativas sem tratamento e prejuízo de liberdades individuais na âmbito privado-empresarial. Em outras palavras, mantenho meu pezinho no estatismo por causa do futuro.
Façam o teste do Diagrama de Nolan, leiam a explicação dele e comentem
Leandro C S Gavinier
@leandrogavinier

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Livro de Pedagogia da Universidade Anhanguera prega doutrinação contra postura conservadora

Nos debates sobre doutrinação política nas escolas os professores e pedagogos em geral mostram-se especialmente escaldados. Frente à mínima menção de que o tema precisa ser discutido, passam a proferir acusações como "patrulha ideológica", "fim da liberdade de expressão", "discriminação". A reação exagerada de muitos profissionais da educação tem explicação. Grande parte da construção teórica pedagógica brasileira reveste-se uma intensão reformadora da sociedade. A concepção de que a pedagogia estaria empenhada em formar intelectuais transformadores seria um papel intrínseco da educação, muito além da transmissão de conhecimento. Algumas provas deste ponto de vista encontra-se num dos livros base do curso de Pedagogia utilizados pela Universidade Anhaguera. A autora, Maria Lucia de Arruda Aranha, famosa também por outros livros didáticos de filosofia para o nível secundário e universitário, sem meias palavras, no terceiro capítulo, escancara sua visão:
&q…

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…