Skip to main content

Qual a relação do uso de substâncias e seus impostos?

Originalmente postado no Portal Observador Político em 30/10/2011
O grande debate do uso de  substâncias psicoativas  acaba sempre sendo banalizado. No final das contas somos levados a ter que responder a questão se apoiamos a internação involuntária e compulsória ou se somos a favor da descriminalização do uso ou não. Não vou responder essas questões aqui, embora tenha uma opinião formada sobre tais assuntos.
Gostaria de nesse texto deixar claro o contexto geral que esse debate  deveria colocar-se: a relação do homem vivendo em sociedade controlada por um Estado. O uso de substâncias psicoativas, no geral, não é uma situação artficial e novidade dos dias atuais, o homem sempre experimentou substâncias da natureza, isso faz parte de nossa formação cultural.  Há um fator que provoca diferenças em relação ao passado: em geral consumia-se as substâncias in natura, sem manipulá-las, hodiernamente, o homem aprendeu a manipular as substancias, criando o crack, a cocaina e outras, cujo uso provoca grave dependência física. É evidente a desagregação, socio familiar provocadas por essas drogas.
A utilização de substâncias psicoativas em rituais religiosos como Ayahuasca e o  álcool em sua função de facilitadora da interação social; ambas aceitas pela lei e por parte da sociedade, nos coloca a questão da permissividade do quanto podemos aceitar que alguém altere sua função mental, entorpeça-se, com objetivo de entreter-se ou de potencializar sua reflexão religiosa. Em outras palavras, afirmo que o debate sobre drogas deve ser colocado primeiramente sobre a questão do ponto que permitimos que haja substâncias psicoativas aceitas e outras não aceitas pela sociedade, pois o álcool já carrega muitas das piores estatísticas que uma substância psicoativa pode carregar, desde a desagregação familiar, brigas, acidentes, doenças físicas e a morte, provocando gastos ao Estado.  Autorizar qualquer outra substância, além do álcool para uso social com a argumentação de entreter, potencializaria esses males que são desagregadores. Vale e pena? Não é o objetivo responder isso.
A discussão sobre a liberação uso de outras substâncias deve se dar sobre o quanto estamos dispostos a arcar com gastos (impostos) em saúde e assistência social para compensar os males que essas tais substâncias irão provocar, assim como o álcool  já provoca. Na hipótese da liberação do uso de substâncias o debatedor também terá de concordar que deveremos pagar mais impostos para custear as dificuldades que o governo terá de lidar para assegurar uma condição mínima de bem estar social, garantindo tratamentos e internação para os que precisarem.
Vejam que  coloquei a questão da descriminalização das drogas um pouco fora do foco de uma questão com viés moral da permissividade de aceitar que o outro possa estar entorpecido ou não. Acredito que se pudermos debater o quanto estamos dispostos a custear um estado cuidador para a permissividade maior ou menor do uso de substâncias psicoativas, muitas pessoas formarão a opinião sobre descriminalizar o uso de modo mais racional.

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…

Artigo 58 do Código Penal Soviético

Não encontrei na internet em língua portuguesa o conteúdo do famigerado e infame Artigo 58 do Código Penal Sovíetico. Assim decidi fazer uma compilação de seu conteúdo e de comentários sobre o tal. Reescrito em 1926 entrou em vigência em 25 de fevereiro de 1927.


A estudiosa do comunismo Anne Applebaun, vencedora do prêmio Pulitzer para não ficção de 2004, escreveu, em Sua obra "GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos":
"Como seria o caso com todas as grandes iniciativas soviéticas, o início da industrialização maciça criou categorias inteiramente novas de criminosos. Em 1926, o Código Penal fora reescrito para incluir, entre outras coisas, uma definição ampliada do artigo 58, que definia crimes 'contra-revolucionários'. Tendo tido antes apenas um ou dois parágrafos, o artigo 58 agora continha dezoito incisos (inclui sub divisões do primeiro) - e a OGPU (Administração Política Estatal Unificada)  se utilizava de todos, sobretudo para prender e…