Skip to main content

Presos blogueiros que faziam apologia ao crime no blog Silviokoerich

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 23/03/2012

Publicado no Correio Brasiliense em 22/03/2012
Curitiba – A Polícia Federal (PF) prendeu nesta quinta-feira (22/3) Emerson Eduardo Rodrigues e Marcelo Valle Silveira Mello, responsáveis por publicar mensagens com conteúdo discriminatório no site silviokoerich.org. Os dois foram presos em um hotel no centro de Curitiba, durante a Operação Intolerância, deflagrada nesta quinta-feira pela PF, na capital paranaense. Rodrigues mora em Curitiba e Mello, em Brasília… segue

Fiquei curioso com o caso, pois comportamento humano extravagante acaba sempre sendo foco de minha atenção. Quando acessei a notícia no dia 23 de março o site silviokoerich.org ainda estava “no ar” e sabendo que nas próximas horas acabaria sendo colocado fora do ar fiz download de algumas páginas para guardar como “relato de caso”. O conteúdo é impressionante, acho que nunca tinha visto tamanha reunião de ideias criminosas num só site proveniente de tão pouca gente, para não dizer que ambos tinham as mesmas ideias, algo bem provável. A apologia a crimes como o de praticar praticar sexo com mulheres menores, estupro e a disseminação do ódio a mulheres, negros, judeus levaram a prisão dos mentores do site. Um deles Marcelo Mello, já conhecido da justiça e do meio virtual.
Vejam no Site Guerrilheiros do Planalto postagens antigas em que Marcelo Mello já era conhecido, e no site da VEJA um detalhamento maior do caso.


Print Sreen da última postagem


Considero que o conteúdo do site era um verdadeiro manual de justificativas teóricas, mesmo que absurdas, para se cometer crimes, os autores versavam sobre vários temas, antifeminismo, pró pedofilia, racismo, pró violência sexual e misogenia (odio às mulheres), tudo isso em nome da “supremacia branca”.
Para a psiquiatria forense o conteúdo do site revela profunda estruturação de um pensamento voltado para apologia da criminalidade, o que é péssimo para uma correspondente avaliação do risco de reincidência, mesmo que seja só a apologia ao crime. É justo lembrar que, apesar de muito escrever no site, não há, por enquanto, acusações formais de terem cometido os crimes que fazem apologia, há uma suspeita que teriam incentivado Wellington Menezes a atirar nas crianças no colégio em Realengo no Rio de Janeiro, ainda em investigação.
Se vão ser considerados imputáves, semi-imputáveis ou inimputáveis (pouco provável), só o juiz, após nomear um perito para uma entrevista psiquiátrica, poderá afirmar. Mas algo é certo, não será tarefa fácil determinar isso. Se cada um for considerado imputável (capaz de entender/determinar-se referente ao ato), irá para o sistema prisional comum e praticamente não receberá abordagem psicológica, se for considerado semi-imputável ou inimputável(incapaz de entender/determinar-se referente ao ato) deverá cumprir medida de segurança  em regime fechado em alguma Casa de Custódia, onde receberá, ou pelo menos deverá, atendimento psicoterápico/psiquiátrico e só será liberado após avaliações periódicas.
O tema também gera debates nas esferas sobre o controle de conteúdo da internet, mas é um assunto que não irei abordar agora.

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…

Artigo 58 do Código Penal Soviético

Não encontrei na internet em língua portuguesa o conteúdo do famigerado e infame Artigo 58 do Código Penal Sovíetico. Assim decidi fazer uma compilação de seu conteúdo e de comentários sobre o tal. Reescrito em 1926 entrou em vigência em 25 de fevereiro de 1927.


A estudiosa do comunismo Anne Applebaun, vencedora do prêmio Pulitzer para não ficção de 2004, escreveu, em Sua obra "GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos":
"Como seria o caso com todas as grandes iniciativas soviéticas, o início da industrialização maciça criou categorias inteiramente novas de criminosos. Em 1926, o Código Penal fora reescrito para incluir, entre outras coisas, uma definição ampliada do artigo 58, que definia crimes 'contra-revolucionários'. Tendo tido antes apenas um ou dois parágrafos, o artigo 58 agora continha dezoito incisos (inclui sub divisões do primeiro) - e a OGPU (Administração Política Estatal Unificada)  se utilizava de todos, sobretudo para prender e…