Skip to main content

O elogio à mediocridade (Medíocre é o Sakamoto).

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 19/062012

Um blogueiro publica um texto que demonstra como a mediocridade, anda em alta nos debates da "intelligentsia" brasileira. Leonardo Sakamoto, que costuma ter seus textos publicados na primeira página do UOL, expôs seus argumentos num texto recente, sugerindo, ainda que de modo mais figurativo, do que propriamente real (acredito eu), que a ostentação de bens como jóias, carros, relógios, sejam considerados crimes pelo código penal e que são uma das causas da criminalidade em São Paulo e dos um dos motivadores dos adolescentes a cometerem seus arrastões nos restaurantes das classes mais favorecidas.
“Ostentação em um país desigual como o nosso deveria ser considerado crime pela comissão de juristas que está reformando o Código Penal. Eles não estão propondo que bulling seja crime? Ostentação é mais do que um bulling entre classes sociais. É agressão, um tapa na cara.”
Pronto! Sakamoto fazendo a surpreendente descoberta científico social que e ambição, a inveja, o consumismo são os motores da criminalidade! E propõe o que? Propõe a redução da desigualdade! Como? Não explica. Que genial não?
Vejam
“Temos que garantir liberdades individuais e a segurança de usufruí-las. Combater a violência, garantir o direito de sair sem ser molestado. Mas isso só será possível com uma sociedade menos desigual e idiota.”
Não propõe nada!  Critica quem ostenta e não propõe nada de concreto!
Desde quando o cidadão precisa preocupar-se com a inveja que vai causar no outro para deixar de comprar algo? Na lógica de Sakamoto os favorecidos devem ser tolhidos de exibir seus bens. Ele quer o que?  Uma sociedade pasteurizada? Padronizada? Onde haja uma cota de ostentação, onde o estado institucionalize a inveja e estabeleça limites para indução de inveja alheia?
Sakamoto, um sujeito que dá muito valor ao potencial criminoso que uma inveja pode causar, só pode mesmo ter uma grande ambição pelo objeto alheio ao ponto de fazer tal sugestão. Aventura-se em matéria criminal, jogando no lixo a teoria criminológica e os critérios biopsicosociais da mente criminosa. Não reconhece o potencial degenerescente de uma mente psicopática e do quanto alguém escolhe fazer o mal, porque simplesmente não importa-se com a dor alheia, a dor de sua vítima, a dor que aprendeu que é incorreta de provocar, mas que decide provocar.
A pecha de pensador social “com raízes na pobreza” como se isso o habilitasse a falar com mais propriedade do assunto, apontando erros dos caminhos sociais da vida moderna, é uma falácia já bem destrinchada pelo meio acadêmico, que trabalha com estatísticas. Afirmar que devemos ostentar menos para sermos mais iguais e assim minimizar desigualdades é desejar uma humanidade menos criativa, menos inventiva, menos interessante, é um desejo totalitário e anti desenvolvimentista, um verdadeiro elogio à mediocridade.

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…

Artigo 58 do Código Penal Soviético

Não encontrei na internet em língua portuguesa o conteúdo do famigerado e infame Artigo 58 do Código Penal Sovíetico. Assim decidi fazer uma compilação de seu conteúdo e de comentários sobre o tal. Reescrito em 1926 entrou em vigência em 25 de fevereiro de 1927.


A estudiosa do comunismo Anne Applebaun, vencedora do prêmio Pulitzer para não ficção de 2004, escreveu, em Sua obra "GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos":
"Como seria o caso com todas as grandes iniciativas soviéticas, o início da industrialização maciça criou categorias inteiramente novas de criminosos. Em 1926, o Código Penal fora reescrito para incluir, entre outras coisas, uma definição ampliada do artigo 58, que definia crimes 'contra-revolucionários'. Tendo tido antes apenas um ou dois parágrafos, o artigo 58 agora continha dezoito incisos (inclui sub divisões do primeiro) - e a OGPU (Administração Política Estatal Unificada)  se utilizava de todos, sobretudo para prender e…