Skip to main content

Mazelas da gestão na saúde.

Prestação de serviços em saúde, quer pública ou privada, são sempre díficeis, novos procedimentos, novas tecnologias, a demanda de realização exames como objeto de consumo, a falta de tempo disponível, da parte dos pacientes, em horário comercial para tratamento eletivo, são dificuldades que o gestor público e privado enfrentam. O aprofundamento do modelo de atenção básica, com médicos generalistas, é muito eficaz para populações carentes e completamente desasistidas, mas sem efetividade para populações de trabalhadores da classe média, onde a rotina de trabalho se impõe pela necessidade de manuntenção da qualidade de vida; estas, não gostam de faltar ao trabalho para consultar-se no “acompanhamento de rotina” para um problema de saúde de ordem não aguda. Daí temos pronto-atendimentos lotados. Serviços de saúde funcionando fora do horário comercial ainda não entraram efetivamente na pauta dos gestores privados, muito menos dos gestores públicos.
A falha grave de gestão dos serviços de saúde é ampla e citei apenas um exemplo, acima. Em geral o sistema privado funciona de modo mais eficiente; o sistema público segue engessado por regras totalmente anacrônicas da gestão estatal, como contratação por concurso público, compras pela lei de licitações e rigidez no horário de funcionamento que tornam tudo ainda mais atrasado e pouco conectado com as demandas da sociedade. O princípio da eficiência ditado no Art 37 da Constituição Brasileira, ainda não regulamentado, está esquecido.
O governo do estado de São Paulo tomou, recentemente uma medida interessante visando atender tais demandas da população, como a disponibilização do sábado para realização de exames de ressonância magnética e ultra-som em alguns AME´s (especialidades), entretanto críticas surgiram dos orgãos controle e na imprensa, politizados ou não, que são contra a gestão privada das OSS, quanto à forma de contratação dos funcionários para trabalhar no sábado. O que ficou saliente foi a crítica e não a iniciativa de oferecer atendimento no sábado. O engessamento da gestão pública é completamente incompátivel com a dinaminização necessária do funcionamento de um hospital. Todo o gestor de saúde já sabe disso. Por isso que as OS tiveram tanto sucesso em SP, a simples contratação por CLT, ao invés de concurso público, já permite a reposição de funcionários mais rapidamente. O governo federal também já sabe disso, tanto que criou as EBSERH para realizar a gestão dos hospitais universitários federais, entretanto esse modelo tem sofrido críticas intensas e injustas da militância ideologizada (pró estatal) que compôe toda base de apoio governista, todo corpo acadêmico da saúde pública e também ocupantes de cargos do governo
Quase toda a intelectualidade que pensa saúde pública no Brasil carrega esse ranço pró estatal. Nas colunas de jornais e portais virtuais de debate, quase sempre vemos doutores e mestres de tais e quais instituições, todos com ranço pró modelo estatal. A imprensa não consegue nem fazer essa diferença, respeita-se o título do acadêmico e toma-o como dono verdade. É preciso começar a olhar para os bons exemplos do gerenciamento privado da saúde, e isso não significa adotar a lógica de mercado. Assistência à saúde não deve se submeter á lógica de mercado, mas não também pode contar com a boa vontade do servidor público, prestes a aposentar, para inovar visando ampliar a eficiência.

Comments

Popular posts from this blog

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…

Teste sua posição política: diagrama de Nolan

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 18/06/2012
Falar sobre questões de filosofia política não é minha especialidade, mas é um dos temas que mais gosto de escrever. Na verdade publico este post mais para divulgar um “teste do espectro político”. O diagrama de Nolan foi idealizado pelo cientista político libertário norte americano David Nolan ainda na década de 70 e tem como principal mérito a possibilidade de traçar perfis políticos do ponto de vista da autonomia das liberdades individuais, (eixo Y – vertical); e das liberdades econômicas, (eixo X – horizontal), de modo separado. Superando, assim, um ponto de vista simplista, dualista e muito mal interpretado pelos principais representantes políticos brasileiros sobre os conceitos de direita e esquerda. Segundo Nolan, direita e esquerda, não são necessariamente opostos, de modo que a esquerdaseria defensora de maiores intervenções do estado na economia e maiores liberdades individuais, enquanto que a direitadefende…

Artigo 58 do Código Penal Soviético

Não encontrei na internet em língua portuguesa o conteúdo do famigerado e infame Artigo 58 do Código Penal Sovíetico. Assim decidi fazer uma compilação de seu conteúdo e de comentários sobre o tal. Reescrito em 1926 entrou em vigência em 25 de fevereiro de 1927.


A estudiosa do comunismo Anne Applebaun, vencedora do prêmio Pulitzer para não ficção de 2004, escreveu, em Sua obra "GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos":
"Como seria o caso com todas as grandes iniciativas soviéticas, o início da industrialização maciça criou categorias inteiramente novas de criminosos. Em 1926, o Código Penal fora reescrito para incluir, entre outras coisas, uma definição ampliada do artigo 58, que definia crimes 'contra-revolucionários'. Tendo tido antes apenas um ou dois parágrafos, o artigo 58 agora continha dezoito incisos (inclui sub divisões do primeiro) - e a OGPU (Administração Política Estatal Unificada)  se utilizava de todos, sobretudo para prender e…