Skip to main content

Aborto: Dê-me seu sintoma e eu removerei sua culpa

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 25/02/2012

Saiu na Folha de São Paulo no Caderno Cotidiano de 25/02/2012:

Proposta quer liberar aborto a mulher sem “condição psicológica”

Por Flávio Ferreira:
A comissão de reforma do Código Penal do Senado apresentou em audiência pública proposta que descriminaliza o aborto realizado até a 12ª semana de gravidez quando, a partir de um pedido da gestante, o “médico constatar que a mulher não apresenta condições psicológicas de arcar com a maternidade”

Nunca fui fã de Michel Foucault, tenho seus livros mais pela obrigação de conhecer um autor frequentemente citado por setores mais radicais da desconstrução teórica da psiquiatria, entretanto uma proposta como a acima vindo justamente de setores “progressistas” surpreendeu-me.
Eu não preciso declarar-me a favor ou contra a descriminalização do aborto para abominar a ideia que sob o argumento de “condições psicológicas” possa-se chancelar o aborto.
Como psiquiatra clínico e forense, já tive muitas pacientes que relaxaram no planejamento familiar e acabaram engravidando, jamais pensei que encaminhá-las para o aborto pudesse ser uma alternativa. Mas com esse discurso colocado, e se ainda aprovado, certamente me verei pressionado, por algum ente familiar das pacientes grávidas a redigir  um documento que permita o aborto.
O debate nas hostes científicas da psiquiatria forense se dá entorno, justamente, do excessivo poder dos laudos psiquiátricos de influenciar decisões de libertar ou não alguém que está em tratamento custodiado (fechado). Algumas correntes defendem a substituição do conceito dePericulosidade, simplista (presente ou não) pelo de Avaliação de Risco em que seriam postas as condições para se colocar em liberdade alguém que já cumpriu o tratamento imputado. Defendo que o psiquiatra forense não tem, e nem nunca terá, mecanismos garantidores de que alguém não irá mais cometer um crime e que avaliações de risco trariam o discurso para o “mundo real”, condicionando a minimização do risco de um doente mental delinquir novamente ao correto seguimento do tratamento ou da presença da família durante o tratamento.
Apesar desse movimento do debate psiquiátrico forense, agora aparece alguém novamente querendo dar mais poder ao psiquiatra, e como se este fosse capaz de decidir o futuro de duas vidas. Já tive casos de pacientes que os sintomas psiquiátricos, psicóticos ou não, tornaram-se menos intensos após o nascimento do filho. Já tive pacientes que tomaram medicações psiquiátricas durante toda a gestação, pois era impossível suspender, e as crianças nasceram normais. Já vi casos que a família tornou-se mais unida após o nascimento da criança. Ou seja, não é possível afirmar os impactos que uma gestação provocará na vida de uma mulher.
E o possível conflito emocional na relação médico-paciente, que uma medida como essa pode provocar caso um médico permita a realização do aborto? E depois, já fora do “surto” , com essa paciente culpando seu médico pelo filho que lhe foi retirado? Uma tragédia na sala de espera.
Crítico do tamanho do poder psiquiátrico que a sociedade construiu, Foucault, ironizou, em um de seus seminários em janeiro de 1974 : me de seu sintoma e eu removerei sua culpa .
Voltem a ler Foucault, progressistas!
gavinier@gmail.com
@leandrogavinier

Comments

Popular posts from this blog

Fim do ciclo de irracionalidade na política de saúde mental brasileira

Foi em 2003 que entrei em contato de verdade com a realidade da psiquiatria no Brasil, data que iniciei residência médica no Hospital Geral do Campo Limpo localizado nas bordas do violento Capão Redondo em São Paulo. Alguns dos meu professores da época mencionavam a Luta Antimanicomial e a necessidade de acabar com as internações psiquiátricas em manicômios. Reconheci a problemática que encerrava a lógica da assistência psiquiátrica centrada na internação e reconheço até hoje que o modelo de gestão de saúde mental centrado no hospital não é desejável para a sociedade. Porém a radicalização do discurso antimanicomial de alguns profissionais me incomodava, pois ali mesmo, em pouco tempo, deparei-me com uma contradição essencial: na ala psiquiátrica do pronto-socorro do hospital acumulavam-se pacientes em surto, casos gravíssimos, com demanda para internação imediata, e o número de leitos disponíveis na enfermaria psiquiátrica do próprio hospital era insuficiente, diariamente pacientes …

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…

Artigo 58 do Código Penal Soviético

Não encontrei na internet em língua portuguesa o conteúdo do famigerado e infame Artigo 58 do Código Penal Sovíetico. Assim decidi fazer uma compilação de seu conteúdo e de comentários sobre o tal. Reescrito em 1926 entrou em vigência em 25 de fevereiro de 1927.


A estudiosa do comunismo Anne Applebaun, vencedora do prêmio Pulitzer para não ficção de 2004, escreveu, em Sua obra "GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos":
"Como seria o caso com todas as grandes iniciativas soviéticas, o início da industrialização maciça criou categorias inteiramente novas de criminosos. Em 1926, o Código Penal fora reescrito para incluir, entre outras coisas, uma definição ampliada do artigo 58, que definia crimes 'contra-revolucionários'. Tendo tido antes apenas um ou dois parágrafos, o artigo 58 agora continha dezoito incisos (inclui sub divisões do primeiro) - e a OGPU (Administração Política Estatal Unificada)  se utilizava de todos, sobretudo para prender e…