Skip to main content

A Inconstitucionalidade do Programa Mais Médicos

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 25/09/2013.

O Projeto Mais Médicos para o Brasil, criado pela Medida Provisória 621/2013, além de sua oferta inicial de empregos para médicos formados no Brasil, também prevê a figura do chamado “médico intercambista”, sendo o formado em instituição de educação superior estrangeira com habilitação para exercício da medicina, vedando a estes o exercício da medicina fora das atividades do projeto.
Entretanto o Art. 5 da Constituição Brasileira é claro ao afirmar no caput:
Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: …
Inciso XIII: – é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;
A lei que formalizou a profissão médica no Brasil é a 3268 de 1957, e ainda é válida, afirmando:
Art.17º os médicos só poderão exercer legalmente a medicina, em qualquer de seus ramos ou especialidades, após o prévio registro de seus títulos, diplomas, certificados ou cartas no Ministério da Educação e Cultura e de sua inscrição no Conselho Regional de Medicina, sob cuja jurisdição se achar o local de sua atividade.
E a própria Lei do Ato médico,12842 de 2013, cuja luta para aprovação não foi pequena prevê no:
Art. 6º A denominação de “médico” é privativa dos graduados em cursos superiores de Medicina, e o exercício da profissão, dos inscritos no Conselho Regional de Medicina com jurisdição na respectiva unidade da Federação.
Essas duas normas versam sobre a profissão médica, não criam categorias de médicos diferentes. Há apenas um tipo de médico. Porém, a Medida Provisória 621, ao vedar aos médicos intercambistas o exercício da medicina fora do âmbito do Projeto Mais Médicos, cria uma categoria diferenciada de médicos. Passa a coexistir em território brasileiro o médico tradicional com amplos direitos de exercer a profissão em qualquer lugar e o médico intercambista, que apesar de também ser médico reconhecido inclusive pelo conselho de classe, não tem liberdade para atuar autonomamente nem escolher o local de trabalho. Vale lembrar que os Conselhos irão apenas diferenciar essa segunda categoria com título de “registro provisório” sendo que a definição de provisoriedade remete apenas a temporalidade e não a qualificação profissional estando evidente o conflito com inciso XIII do 5°artigo constitucional.
A Medida Provisória também declara formalmente a dispensa, neste caso, dos efeitos da Lei 9394 de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, é esta norma que estabelece a regra da revalidação dos diplomas de graduação expedidos por universidades estrangeiras. Assim, negando a necessidade de revalidação de diplomas, a Medida Provisória deixa claro que não há diferença entre a qualificação técnica dos formados no exterior e dos graduados no Brasil. A diferença entre as categorias de médicos tradicionais e médicos intercambistas, evidenciaria-se pela simples qualidade de médico estrangeiro o que é repisamento da afronta à constituição, que veda tal desigualdade.
A Medida Provisória 621/2013 tem até o dia 05 de novembro para ser votada pelas duas casas legislativas, até lá poderá ser bastante debatida e espero que essa afronta à constituição não passe despercebida dos nobres legisladores. Para alcançar assistência à saúde de qualidade não podemos pagar o preço da restrição de direitos civis e trabalhistas.

Comments

Popular posts from this blog

Burnout não é doença.

Segundo dados da previdência social, em 2013, foram concedidos 469 benefícios de auxílio doença e 29 benefícios de auxílio doença acidentário para portadores da condição codificada pelo CID-10 (Código Internacional de Doenças décima edição) como Z73.0 - "Sensação de estar acabado", "Esgotamento". No livro texto original do CID- 10 não há o termo "burnout". http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/menu-de-apoio-estatisticas-seguranca-e-saude-ocupacional-tabelas/ A popularmente conhecida Síndrome de Burn Out, burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, não é uma doença.

O conceito foi formulado pelo psicológo psicanalista Hebert J. Freudenberger em 1974 e apresentado ao mundo em seu livro  Burn Out: The High Cost of High Achievement. What it is and how to survive it. Numa tradução livre teríamos: Esgotamento: O alto custo dos grandes desafios. O que é e como sobreviver a ele. No livro publicado em 1980 o autor expõe a condição afirmando ter observad…

Teste sua posição política: diagrama de Nolan

Originalmente publicado no Portal Observador Político em 18/06/2012
Falar sobre questões de filosofia política não é minha especialidade, mas é um dos temas que mais gosto de escrever. Na verdade publico este post mais para divulgar um “teste do espectro político”. O diagrama de Nolan foi idealizado pelo cientista político libertário norte americano David Nolan ainda na década de 70 e tem como principal mérito a possibilidade de traçar perfis políticos do ponto de vista da autonomia das liberdades individuais, (eixo Y – vertical); e das liberdades econômicas, (eixo X – horizontal), de modo separado. Superando, assim, um ponto de vista simplista, dualista e muito mal interpretado pelos principais representantes políticos brasileiros sobre os conceitos de direita e esquerda. Segundo Nolan, direita e esquerda, não são necessariamente opostos, de modo que a esquerdaseria defensora de maiores intervenções do estado na economia e maiores liberdades individuais, enquanto que a direitadefende…

Artigo 58 do Código Penal Soviético

Não encontrei na internet em língua portuguesa o conteúdo do famigerado e infame Artigo 58 do Código Penal Sovíetico. Assim decidi fazer uma compilação de seu conteúdo e de comentários sobre o tal. Reescrito em 1926 entrou em vigência em 25 de fevereiro de 1927.


A estudiosa do comunismo Anne Applebaun, vencedora do prêmio Pulitzer para não ficção de 2004, escreveu, em Sua obra "GULAG - Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos":
"Como seria o caso com todas as grandes iniciativas soviéticas, o início da industrialização maciça criou categorias inteiramente novas de criminosos. Em 1926, o Código Penal fora reescrito para incluir, entre outras coisas, uma definição ampliada do artigo 58, que definia crimes 'contra-revolucionários'. Tendo tido antes apenas um ou dois parágrafos, o artigo 58 agora continha dezoito incisos (inclui sub divisões do primeiro) - e a OGPU (Administração Política Estatal Unificada)  se utilizava de todos, sobretudo para prender e…